Sorry, you need to enable JavaScript to visit this website.

Primeira Infância Ribeirinha – Assistência Integral a Crianças Amazonenses

Quando pensamos na Amazônia, ficamos maravilhados com sua beleza natural. No entanto, é evidente que o acesso a serviços básicos tanto para gestantes como para meninas e meninos em seus primeiros anos de vida é um grande desafio. O Programa Primeira Infância Ribeirinha (PIR) responde a esse desafio oferecendo assistência integral durante a gestação e a infância, por meio de visitas às comunidades. O programa consiste em um modelo de visitas familiares em que agentes comunitários de saúde são treinados no uso de um Guia de Visitas Domiciliares, a fim de prestar assistência médica e promover boas práticas de nutrição, estimulação precoce e ambientes seguros. Esse programa adapta estratégias que foram bem-sucedidas em outros contextos, para aplicá-las pela primeira vez a essas populações vulneráveis. Além disso, aproveita tecnologias como aplicativos móveis e tablets para monitorar indicadores de desenvolvimento infantil.

Problemática

O isolamento e a baixa cobertura de serviços básicos significam que as comunidades às margens dos rios do Amazonas enfrentam desafios totalmente diferentes daqueles das populações que vivem em comunidades urbanas, e até mesmo em muitas comunidades rurais. Os moradores dessas áreas apresentam altas taxas de infecções (como diarreia), menos assistência a gestantes e menores níveis de monitoramento e acompanhamento do desenvolvimento saudável de meninos e meninas. Os esforços para melhorar os níveis de atenção e acesso dessas comunidades a serviços devem ser ajustados para reconhecer suas necessidades específicas.

Solução

Essa iniciativa demonstra que o desenvolvimento infantil de qualidade pode chegar aos locais mais inacessíveis. Esse programa de assistência integral destina-se a crianças entre 0 e 6 anos de idade, que vivem em Unidades de Conservação no Amazonas. Por um lado, gestantes e crianças de 0 a 3 anos recebem uma visita pelo menos a cada duas semanas. Por outro lado, cada agente comunitário de saúde é treinado para visitar 80 famílias usando o Guia de Visitas Domiciliares, desenvolvido para atender comunidades ribeirinhas. O Guia contém brincadeiras e atividades para instruir as famílias sobre questões relacionadas com aleitamento materno, alimentação saudável, estimulação precoce, higiene e doenças infantis. Os agentes comunitários são incentivados a desenvolver soluções criativas, como a reciclagem de materiais para transformá-los em brinquedos que estimulam nas crianças a percepção de formas geométricas e cores. Os agentes também destacam a importância de conversar, cantar e brincar com as crianças para fortalecer os laços afetivos e o desenvolvimento.

Avaliação e Impacto

As famílias que receberam as visitas apresentam mudanças positivas na estimulação precoce (mais atividades lúdicas, de leitura e musicais), bem como práticas de higiene e alimentação saudável. Além disso, o papel dos agentes comunitários também é fortalecido. No entanto, é importante destacar nesse resultado que as grandes distâncias que precisam ser percorridas para alcançar as populações mais isoladas têm acarretado custos elevados de monitoramento e logística.

Dados básicos

População alvo
Meninas e meninos (0-3) anos
Meninas e meninos (3-5) anos
Area
Desenvolvimento cognitivo
Desenvolvimento da linguagem
Saúde e nutrição
Desenvolvimento socioemocional
Instituição
Fundação Amazonas Sustentável (FAS)
Lugar
Brasil / Amazonas
Data de início
Estado
Estado avançado
Tipo de intervenção
Visitas domiciliares
Modo de entrega
Sessões de grupo
Sessões individuais